14/02/2015

Bilhete nunca entregue.



Foto: Google Imagens.


São exatamente seis da manhã, acordo com a ventania vinda pela janela, o alarme ainda não soou, e lá estou eu com lembranças inacabáveis sobre você, o dia hoje vai ser corrido, a agenda está lotada, tenho afazeres de casa para cumprir e ainda trabalhar, mas com tudo isso ainda sobra espaço para você invadir meus pensamentos. Pego um pedaço de folha e começo a escrever, embora eu não lhe envie esse bilhete, mas preciso de alguma forma passar para o papel esses meus sentimentos recheados de mágoas e lembranças.  Sorrio por um instante ao imaginar você recebendo esse papel meio amassado, com algumas lágrimas derramadas sobre as letras. Penso em enviar imediatamente pelo correio, mas eu não posso, não posso e não posso. Imagina o tamanho do estrago que eu faria lhe enviando essas palavras. Você com toda certeza iria me ignorar e pisar mais um bocado em mim para mostrar o quanto você não tá nem ai para meus desejos e suspiros.

Lembrar de você me dar um nó na garganta e um grande aperto no coração. Ainda não caiu a ficha que você está longe, foi embora há exatamente quatro meses atrás, se mudou de cidade e foi morar com uma loira metida, aquela que você falava mal na época do colegial. Ainda não caiu a ficha que eu nunca mais terei você de volta para os meus braços. Durante algum tempo eu tentei me iludir, menti dizendo que estava tudo bem, fui orgulhosa, talvez um pouco durona, mas uma hora a gente tomba no chão, uma hora a gente desaba de vez, uma hora as nossas forças se esgotam. Para piorar a situação você ainda persegue meus sonhos durante a noite. Você ainda não foi esquecido, ainda me recordo de tudo, mas chega né, tenho que parar com essa péssima mania de viver do que já se foi. Já não sou mais aquela adolescente de quinze anos quando te conheci na aula de Educação Física, quando começamos a papear sobre futebol (eu odiava esporte, mas eu só queria ter assunto com você). E durante algumas aulas, nós flertamos. Até você pedir o meu número de telefone.

Escrevo esse bilhete para que tudo fique trancado aqui. Para que você não volte, nem mesmo em minha mente. Mas é que você me causa uma grande saudade. Lembrar do que vivemos antes, dar vontade de te ligar só pra saber o que você tem feito por ai, se também sente minha falta, se pensa em voltar.  Mas te esperar, não dar mais. Foram meses a sua espera e nada. Você nunca ao menos me mandou uma mensagem de ‘’Boa noite’’. Estranho como tudo muda, estranho não te esquecer mesmo depois de todas as dores que você me deixou. Estranho a sensação que você me faz sentir. Uma mistura de amor e ódio, desejo e desprezo, saudade e felicidade. Mas no final, amor, somente amor... O alarme toca e vou me arrumar, pego o bilhete e jogo pela janela para que todas essas lembranças possam evaporar.








comentário(s) pelo facebook:

8 comentários

  1. Que lindo , amei o texto.. Belas palavras ! :)

    ResponderExcluir
  2. Ai meu Deus! Antes de avaliar quero dizer que, me sinto muito feliz MESMO em ver blogueiras fazendo textos! Assim como eu <3

    Nota: 09
    Que beleza de blog em guria? viciei <3
    #BrincadeiraDeBlogueira
    Visite meu blog: http://ocotidianodeumaadolescentee.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Que bilhete lindo!!!!
    Letras cheias de sentimentos. Palavras nobres, doces que arrebatam o sentir!!
    Lindo demais!!
    Adoro essas missivas... rs

    Abraços

    ResponderExcluir



Image Map